Processamento para Streaming versus do Ar!

Sabemos o quanto processamento de áudio é necessário para streaming (radio web) assim como sabemos a importância para o processamento no ar! Porem temos que saber também a diferença de processamento para streaming e um processamento para o ar.

 

No processamento para streaming temos de levar em consideração que estamos lidando com uma codificação digital, onde a constante de tempo, pode interferir no desempenho do codec.

 

O método convencional de aplicar controle de ganho nas multi-bandas seguido de uma rápida compressão para se ter um som mais uniforme e com maior intensidade (loudness) nas músicas, funciona muito bem em processamento on-air (ar) porém não funciona bem para streaming.

 

A aplicação de tempos de ataque constante e rápidos na compressão aumenta a Intermodulacao e produz distorção, pois faz os codec’s cometem erros adicionando ou removendo frequências que não deveriam. Isto é ruim para qualquer streaming, especialmente para streaming que trabalham com baixas taxas de amostragem (low bitrate) pois estes não possuem dados suficientes para fazer uma boa amostragem das músicas.

Processadores para streaming usam algoritmos adaptativos s para criar uma sonoridade uniforme e com boa intensidade sonora (loudness) entre as músicas.

 

Picos de sobre modulação é um problema:

Em um streaming de áudio, o áudio é bem diferente do áudio analógico, o Audio digital fica muito ruim quando os picos de sobre modulação ultrapassa o nível de 0 dBFS.  Pois a partir desse ponto simplesmente não há mais bits sobrando, e ocorre desagradável distorção.

 

Nível:

Os níveis de entrada de pico recomendável para a maioria dos codec é em torno de -3 dBFS, por isso a necessidade de se usar um limitado de qualidade para garantir que o nível nunca seja excedido. Um limitador agressivo pode ser problemático. Uma limitação agressiva produz artifícios ao ponto de deixar o áudio desagradável, pois muitas vezes removem frequências que adicionam qualidade a música.

 

Processador:

Um bom processador para streaming deve ter um limitador de picos eficaz e compressão com algoritmos adaptativos para não comprometer a qualidade do streaming.

 

Stereo Tool FM Box (Audiotx) possui um processamento independente para streaming, que controla separadamente o processamento para o streaming. Evitando efeitos desagradáveis na codificação.

 

Nota Importante:

Aprendemos que clipping (corte do picos) não é uma boa ideia para controlar os fluxos de streaming, pois criam harmônicos que não estão presentes nas músicas originais. O encoder (codec) não sabe o que fazer com estes harmônicos, e acaba gerando bits ruins que produzem mais harmônicos ruins, tendo como consequência um áudio sem dinâmica.

Artigo escrito por: Jorge Faria

Consultor de Broadcast da Audiotx e Stereotool FM

www.stereotool.com.br

www.audiotx.com.br